Volta dos trabalhos na Câmara é marcada pelo adiamento da votação da Reforma da Previdência

O início do ano legislativo foi marcado pela falta de votos necessários para aprovar a Reforma da Previdência. Segundo o deputado federal e vice-líder do PCdoB, Rubens Pereira Júnior (MA), a semana foi de muita resistência. “Houve muita obstrução para evitar que o governo Temer conseguisse votar matérias e assim evitar mais um avanço da retirada de direitos”, explicou.

A base governista adiou a votação para o dia 28 de fevereiro, data limite para aprovação da proposta no Plenário da Câmara dos Deputados. “Essa estratégia do governo não vai dar certo. Vamos aproveitar o período do carnaval para fazer muita manifestação e garantir que não mexam com a aposentadoria do povo”, afirmou o parlamentar.

O deputado do PCdoB ressaltou novamente que a reforma apresentada por Michel Temer não atende aos interesses do povo. “É hora de muita resistência e muita luta para que ninguém mexa com os nossos diretos”, complementou.

Nesta quarta-feira (7), o relator da proposta, o deputado Arthur Maia (PPS-BA) apresentou o texto final da reforma, sem grandes alterações, mantendo basicamente as mudanças negociadas com a base do governo em dezembro – antes do recesso parlamentar.

Durante o período de recesso, lideranças governistas tentaram atrair mais votos em favor da reforma, contudo, mesmo depois de intensificar as articulações com os parlamentares ampliar a propaganda em favor da reforma e negociar alterações no texto, integrantes da equipe do governo admitem que ainda não conseguiram alcançar o quórum mínimo de 308 votos necessários para aprovar uma emenda constitucional em dois turnos na Câmara.

Caso o texto seja engavetado, a ideia de presidente da Câmara, Rodrigo Maia, segundo informações divulgadas pela imprensa, é colocar a matéria como opção para o próximo presidente eleito.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *