DESEMPREGO SOBE A 8,7% NO TRIMESTRE ATÉ AGOSTO

A taxa de desemprego no país voltou a subir no trimestre
encerrado em agosto e chegou a 8,7%. O índice é 0,6 ponto percentual superior
ao do trimestre terminado em maio (8,1%). Esta foi a maior taxa de desocupação
da série histórica iniciada em 2012.
Comparativamente ao mesmo trimestre do ano
anterior (6,9%), a alta chegou a 1,8 ponto percentual. Os dados fazem parte da
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua) e foram
divulgados hoje (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
(IBGE).
Segundo a pesquisa, a população desocupada
cresceu 7,9%, atingindo 8,8 milhões de pessoas, ou mais 647 mil pessoas
desocupadas em relação ao trimestre de março a maio, quando a alta chegou a
29,6% (mais 2 milhões de pessoas, na comparação com igual trimestre de 2014).
No trimestre encerrado em agosto, a
população ocupada somava 92,1 milhões de pessoas, ficando estável em ambas as
comparações. Os dados indicam ainda que o número de empregados com carteira
assinada recuou 1,2% (menos 425 mil pessoas), em relação ao trimestre de março
a maio, e caiu 3% (menos 1,1 milhão de pessoas) na comparação com igual
trimestre de 2014.
Números negativos
A Pnad Contínua mostra números predominante
negativo em todas as suas análises. O rendimento médio real recebido pelo
trabalhador caiu 1,1% na comparação ao trimestre imediatamente anterior (março
a maio), passando de R$ 1.904 para R$ 1.882. Em relação ao mesmo trimestre do
ano anterior, no entanto, o rendimento médio real ficou estável.
Também a massa de rendimento médio real
recebida para o trimestre encerrado em agosto (R$ 167,8 bilhões) caiu os mesmos
1,1% do rendimento médio real, na comparação ao trimestre móvel anterior e
ficou estável em relação ao mesmo trimestre de 2014. Os indicadores da Pnad Contínua
são calculados para trimestres móveis, utilizando-se as informações dos últimos
três meses consecutivos da pesquisa. A taxa do trimestre móvel terminado em
agosto de 2015 foi calculada a partir das informações coletadas em junho/2015,
julho/2015 e agosto/2015.

247

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *