“Operação Imperador” da Polícia Civil prende agiotas e apreende bens de investigados

As
investigações sobre a rede de agiotagem no Maranhão resultaram em duas prisões,
nove mandados de condução coercitiva e 38 mandados de busca e apreensão no
estado. A operação denominada”Imperador’ resultou na prisão da ex-prefeita
de Dom Pedro, Arlene Barros Costa, acusada de envolvimento na prática de
agiotagem e licitações fraudulentas, que culminaram no desvio de mais de R$ 5
milhões dos cofres públicos.
As
investigações também revelaram o envolvimento de Alfredo Falcão, filho de
Arlene, Rodrigo Manso, sobrinho da ex-gestora, e João Cavalcante Neto,
funcionário utilizado como laranja no esquema de corrupção. Os três acusados já
receberam mandado de condução coercitiva.
Na
casa de Arlene, em São Luís, foram apreendidos quatro veículos e um montante de
documentos falsos. Em Codó, vinte carros de luxo da ex-prefeita foram retidos
pela polícia. Mais de dez empresas fantasmas criadas por Arlene e a família
foram descobertas com registros falsificados. O filho da ex-prefeita, Eduardo
DP, conhecido no município por ‘imperador’, está sendo investigado por
envolvimento direto em fraudes de procedimentos licitatórios, utilização de
documentação falsa (identidade e CPF) e CNPJ’s fantasmas. Ele é considerado o
líder da quadrilha na área.
O
foco da agiotagem e licitações fraudulentas em Dom Pedro era a distribuição de
merenda escolar e medicamentos. O secretário de Segurança Pública, Jefferson
Portela, afirmou que as investigações no município continuam e que nos próximos
dias novos fatos serão acrescentados ao processo. “Em Dom Pedro aconteceu a
primeira etapa de uma investigação contínua sobre corrupção e agiotagem no
Maranhão. A morte de Décio Sá foi uma referência para as investigações sobre
este crime e vamos dar continuidade ao desbaratamento destes grupos corruptos.
Estamos retomando as investigações para finalizar tudo. O trabalho não irá
parar”, enfatizou o secretário.
Processo de investigação
Segundo
o secretário Jefferson Portela, o dinheiro público era desviado para o
pagamento de agiotas envolvidos nos esquemas fraudulentos. “Encontramos vários
cheques de prefeituras que estão sendo investigadas. Neste governo não haverá
tolerância com a corrupção e a diretriz do governador Flávio Dino é para que
haja uma apuração radical no combate a uso ilegal do dinheiro público.
Retomamos as investigações, e a Polícia Civil está preparada para concluir e
encaminhar o resultado final ao poder Judiciário”, explicou o secretário.
O
delegado-geral da Polícia Civil, Augusto Barros, explicou que está obtendo
provas para compor o processo da Prefeitura de Dom Pedro. “Estamos no momento
de recolhimento de material coletado a partir de buscas de apreensões, as
oitivas dos conduzidos e presos para que possamos fechar o conjunto probatório.
É um trabalho interno muito forte e em seguida, vamos fechar este procedimento
e dar continuidade as investigações em outros municípios. A rede de agiotas
presa à época da morte de Décio Sá revelou muito material, que sendo
aproveitado. Vamos transformar em provas para que possa culminar em acusações
contundentes”, assinalou o delegado.
Combate à corrupção

O
secretário antecipou que em abril a Secretaria de Segurança Pública inaugura a
Superintendência Estadual de Prevenção e Combate a Corrupção, que acompanhará
de perto os processos de investigação relacionados ao mau uso do dinheiro
público e agiotagem. “A superintendência dará um novo gás às investigações e
permitirá o acompanhamento dos passos para compor os processos probatórios”,
disse Portela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *