Teoria da “Copa comprada” roubou grande vitória do Brasil contra o Chile

Blog Cidadania

Após o jogo de abertura da Copa de 2014, entre
Brasil e Croácia, no dia 12 de junho último, uma teoria vira-latas, falsa como
uma cédula de 3 reais, espalhou-se pelo país e, em certa medida, até pelo
mundo: o governo Dilma Rousseff teria “comprado” a competição.

Devido à forte crença da direita midiática de
que o resultado da Copa influirá na eleição presidencial, a Seleção vem
sofrendo sabotagens “jornalísticas” diariamente. Nenhuma seleção está sendo tão
maltratada quanto a nossa, na imprensa.

Não se pode dizer que a campanha da Seleção
esteja sendo brilhante ou que não esteja apresentando problemas – tanto quanto
qualquer outra equipe. Mas justamente ao time do NOSSO país é dispensada uma má
vontade revoltante.

A goleada sobre Camarões, por exemplo, foi
minimizada como se tivéssemos vencido um time de várzea. A histórica boa
presença da seleção africana em várias Copas do Mundo foi esquecida enquanto a
magra vitória da Argentina sobre uma seleção realmente fraca como a do Irã
gerou manchetes sobre a “genialidade” de Messi por ter marcado o único gol
argentino já nos minutos finais do jogo.

Aliás, a campanha da Argentina, até aqui, ficou
devendo.

Voltando à teoria da “compra” da Copa. No início
de junho, comentário do conhecido jornalista esportivo Jorge
Kajuru
sobre a suposta fraude endossou dezenas de postagens
vídeos que circulam na
internet desde o ano passado.

Mas foi a partir do pênalti que o árbitro
japonês Yuichi Nishimura deu para o Brasil após o zagueiro croata Dejan Lovren
aparentemente desequilibrar o atacante brasileiro Fred dentro da área que a
teoria se espalhou e chegou à grande imprensa, que deixou o boato proliferar
apesar de não endossá-lo abertamente.

Apesar das negativas de Fred e de Felipão,
formou-se na mídia o “consenso” de que “não foi pênalti”. O noticiário massivo
sobre a “ajuda” que o árbitro japonês teria dado ao Brasil foi o que bastou para
o país ser tomado pela ridícula teoria conspiratória.

Felipão ficou irritadíssimo com a mídia. Disse
que, por conta daquele escarcéu que estava sendo feito sobre um lance duvidoso,
juiz nenhum voltaria a apitar um pênalti contra o Brasil com medo de ser
acusado de ter sido subornado.

A má vontade com o Brasil pode ser vista nas
primeiras páginas dos grandes jornais do day after do último jogo da Seleção,
contra o Chile. A manchete campeã de “viralatismo” entre os grandes jornais,
para variar foi da Folha. Abaixo, a primeira página desse jornal em sua última
edição de domingo.

 

O jornal atribui a vitória do Brasil nos
pênaltis ao goleiro Júlio Cesar e à trave brasileira, em lance da prorrogação
da partida em que atacante chileno só não decidiu o jogo para o Chile por falta
de pontaria, como se o Brasil não tivesse perdido vários gols “feitos” pela
mesma razão.

Neymar, por exemplo, só não marcou de cabeça
porque um zagueiro chileno foi atingido pela bola e a desviou da meta
adversária.

Mas o que mais chama atenção é a mídia
praticamente não ter dado a menor importância à péssima arbitragem do juiz
Howard Webb, que mudou o rumo da partida por ter claramente se acovardado ao
deixar de marcar um pênalti e um gol inquestionáveis de Hulk.
 
Na foto, o momento em que Hulk mata no peito a bola para chutar a gol.

A regra da Fifa é clara. Alude a “mão
deliberada” sempre que um atleta “assume o risco” de que a bola toque em suas
mãos ou braços e caso este movimento não seja “espontâneo e natural”. Ora, não
houve toque no braço de Hulk. Quando muito, foi no ombro – ou entre o ombro e o
peito.

Talvez Webb não marcar o pênalti contra o Chile
após o zagueiro Maurício Isla “calçar” Hulk por trás dentro da área seja ainda
mais escandaloso. Pelas regras da Fifa, inclusive, Isla praticou o que a
entidade chama de “anti jogo”, ou seja, parar uma jogada atingindo o adversário
pelas costas, sem qualquer pretensão de tocar na bola.

Veja, abaixo, a imagem do momento exato em que o atacante brasileiro foi “calçado” por trás dentro da área.

A jogada, na íntegra, pode ser vista no site do Jornal Nacional a partir
dos 2 minutos e 50 segundos do vídeo contendo a matéria do telejornal sobre o
jogo do Brasil.

Pode-se, por fim, até inferir que talvez o
Brasil não tivesse convertido em gol o pênalti claro que Hulk sofreu, mas o gol
que o mesmo Hulk marcou – e que o juiz anulou indevidamente – por certo teriam
mudado o rumo do jogo e, a esta hora, com vitória por 2 a 1, talvez o
noticiário fosse menos mesquinho com a Seleção.

Aliás, perdendo por 2 a 1 no segundo tempo, o
Chile talvez tivesse tido que abrir a muralha humana que ergueu diante de sua
meta com a finalidade clara de levar a disputa para os pênaltis e, assim, o
placar poderia ter sido até mais amplo a favor do Brasil.

O que preocupa é que as anulações ilegais de um
gol legítimo e de um quase-gol (pênalti) não estão recebendo as críticas
necessárias e esperáveis. Caberia, acima de tudo à imprensa brasileira,
questionar a arbitragem tão durante quanto o fez quando, supostamente, o Brasil
foi favorecido, mas os vira-latas da mídia e da politicagem barata querem
prejudicar a Seleção.

Nunca antes na história deste país tantos
brasileiros torceram contra seu país. Este Blog julga que estão enganados. Se o
Brasil conquistar o seu sexto título mundial, o tal “hexa”, a influência na política
será mínima, se é que existirá. Mas a direita midiática não pensa assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *