Professores são recebidos na AL para discutir Orçamento da Educação

A assembleia legislativa recebeu
na manhã desta quarta-feira (30), educadores e membros do sindicato dos trabalhadores em educação
pública do Maranhão (Simproessema), para discutir o corte orçamentário de mais de R$ 23
milhões de reais, além do não cumprimento do estatuto, na íntegra, do educador.
Estiveram presentes no plenarinho da assembleia
os deputados Marcelo Tavares (PSB), Birá do Pindaré (PSB), César Pires (DEM), o
presidente do Simproessema, Júlio Pinheiro e o presidente da CTB, Júlio
Guterres. 

Segundo Júlio Pinheiro, o acordo que o governo
do Estado fez com a categoria não está sendo cumprido, uma vez que, para o mês
de agosto deste ano, estavam previstas concessões de titulação, num total de
duas mil, e de promoções, no montante de 1.300, e só foram realizadas,
respectivamente, 29 e 25. “Como é que o governo do Estado vai cumprir o acordo
com a categoria diminuindo o orçamento para a educação se, para o próximo ano,
está previsto um dispêndio maior para as concessões negociadas”, questionou
Júlio Pinheiro.

Estiveram presentes no plenarinho da assembleia
os deputados Marcelo Tavares (PSB), Birá do Pindaré (PSB), César Pires (DEM), o
presidente do Simproessema, Júlio Pinheiro e o presidente da CTB, Júlio
Guterres. 

Para o líder do governo na Assembleia, César
Píres, “A diminuição é justificada pelo corte significativo no Fundeb em
todo o país, o que não é correto é que essa diminuição aconteça em setores
essenciais.” Afirmou o deputado e educador, indicando o equivoco na
diminuição no orçamento do programa de erradicação do analfabetismo, que em
2013 contava com um orçamento de R$ 7,4 milhões e em 2014 terá apenas R$ 250
mil.

Para Rubens Jr., o corte do Fundeb não justifica
a desvalorização da educação do Maranhão, haja vista o aumento de mais de R$ 1
bilhão na arrecadação estadual. “Os cortes em pastas como educação e segurança
são reflexo das prioridades do atual governo, que prefere aumentar em mais de
R$ 400 milhões o orçamento da infraestrutura, pasta comandada pelo
pré-candidato ao governo, a investir no desenvolvimento intelectual dos
maranhenses.”

O líder da oposição garantiu que se o governo
não corrigir as distorções presentes no plano de orçamento, o bloco parlamentar
de oposição se compromete a garantir uma emenda parlamentar para, no mínimo,
tentar igualar o valor destinado à pasta de educação. “Quem não pode pagar o
preço caríssimo são os educadores, alunos e o futuro do Maranhão.”

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *