Bando liderado por adolescente é preso no Anjo da Guarda

Oito pessoas suspeitas de integrar um bando, que
realizava assaltos, homicídios e tiroteios na área do Anjo da Guarda, foram
presas ontem (29), pelo Serviço de Inteligência da
Polícia Militar, após informações repassadas pelo Disque-Denúncia [3223 5800 –
capital e 0300 313 5800 – interior].

O grupo é comandado por um adolescente, de 17 anos,
que somente esse ano já foi apreendido três vezes pela equipe do Serviço de
Inteligência. Foram presos: Patrick Ferreira Nascimento, de 23 anos; Diego Maia
Ferreira, 26 anos; Luis Francisco Santos, o “Lulu”, de 29 anos; Paulo de Tassio
Nunes Lago, 23 anos. Foram apreendidos ainda, quatro adolescentes, que, segundo
os policiais, lideravam e seriam os mais cruéis da gangue.
Entre os inúmeros crimes praticados pelos suspeito na
área do Fumacê, um dos mais violentos seriam tiroteios promovidos entre facções
rivais do Anjo da Guarda, que acabavam vitimando moradores da localidade. Em
agosto desse ano, o ajudante de pedreiro Pedro Silva, de 24 anos, foi morto por
integrantes da gangue. A mulher da vítima, Jaqueline Cardoso de Jesus, de 20
anos, que estava grávida de quatro meses, também foi atingida.
Na noite da última quarta-feira (28), o vigilante Edson
Borges da Silva, morador da Rua das Filipinas, Anjo da Guarda, foi alvejado com
mais de três tiros, após ser confundido com um integrante do bando rival.
Após investigações serem realizadas, a equipe policial
conseguir surpreender os oito envolvidos nos tiroteios, assaltos,
comercialização de entorpecentes e homicídios ocorridos no Anjo da Guarda.
Foram apreendidas duas armas de fogo, 16 munições intactas, 300g de crack e R$
100 em cédulas trocadas.
Eles foram encaminhados ao Plantão da Vila Embratel, onde
foram autuados por formação de quadrilha, tentativa de homicídio e tráfico de
drogas. Os adolescentes apreendidos foram conduzidos à Delegacia do Adolescente
Infrator (DAI), os outros homens foram levados ao Centro de Triagem em
Pedrinhas, onde permanecerão à disposição da Justiça.
Fonte: Imirante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *